Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinco de Cada Vez

A fotografia tem pouco a ver com as coisas que vemos, e muito a ver com a forma como as vemos..

A fotografia tem pouco a ver com as coisas que vemos, e muito a ver com a forma como as vemos..

Cinco de Cada Vez

13
Set20

Rio de Onor


cincodecadavez

IMG_7492.JPG

IMG_7515.JPG

IMG_7553.JPG

IMG_7467.JPG

IMG_7547.JPG

Ainda pela Rota da Terra Fria, visitámos Rio de Onor que, em 2017, foi eleita vencedora das 7 Maravilhas de Portugal, na categoria de Aldeias em Áreas Protegidas..

No Parque Natural de Montesinho, esta aldeia tipicamente transmontana, com as suas casas de xisto, alpendres floridos, e população envelhecida, é conhecida pelas suas caraterísticas de vida comunitária, em que a partilha de terrenos agrícolas, fornos e rebanhos ainda se mantém presente em alguns aspetos do quotidiano..

Rio de Onor faz fronteira com a homónima espanhola Rihonor de Castilla, e os habitantes de ambas as aldeias convivem em alegre harmonia, qual família alargada..

Percorremos a aldeia a pé, apenas para constatar que os habitantes são em número reduzido, ocupando-se das suas hortas ou do escasso comércio, num tempo que ali parece correr mais lento..

Atravessada pelo rio de seu nome Onor, claro está, esta aldeia de tradições merece uma visita sem pressas e que, preferencialmente, inclua uma conversa demorada com os habitantes que orgulhosamente defendem a história da vila do concelho de Bragança..

30
Ago20

Picote - Miranda do Douro


cincodecadavez

IMG_7809.JPG

IMG_7811.JPG

IMG_7805.JPG

IMG_7812.JPG

IMG_7801.JPG

Ir para fora cá dentro e encontrar, totalmente ao acaso, pequenos pedaços de paraíso..

Por desconhecimento, a aldeia de Picote não estava incluída no roteiro traçado para esta escapadinha pela Rota da Terra Fria, mas uma dica levou-nos até lá, e em boa hora aconteceu..

Parámos o carro no ponto a partir do qual não se pode avançar mais e, ao fundo da aldeia, encontrámos o Miradouro da Fraga do Puio ou, melhor dito, uma simbiose perfeita entre natureza, arquitetura e silêncio..

A vista sobre o rio Douro é deslumbrante.. Quase somos impelidos a ficar numa contemplação muda e de espanto, enquanto aquela paisagem esmagadora se nos oferece, caída aos pés, e a pedir adoração silenciosa..

Depois há o miradouro propriamente dito, de arquitetura moderna e arrojada, que inclui um triângulo suspenso em chão de vidro.. Que pequena maravilha..

Não é possível ter pressa de sair dali..

Juro que o Miradouro de Picote foi o único ponto de paragem de toda a escapadinha de quatro dias, que não foi alvo de críticas negativas e despropositadas, que só os seres adolescentes conseguem fazer de forma completamente gratuita e deveras enervante.. Se não fosse pelo resto, só por isso este recanto já ganhava..

Vá, asseguro-lhe que não se arrepende..

 

02
Ago20

Herdade da Cortesia


cincodecadavez

IMG_7338.JPG

IMG_7099.JPG

IMG_7166.JPG

IMG_7387.JPG

IMG_7210.JPG

Menos de duas horas de viagem. Alentejo. Tranquilidade total.

Reunidos os requisitos pretendidos para uma curta estadia, elegi a Herdade da Cortesia.

Uma paragem em Avis para o reconhecimento da vila e subida às muralhas que, a propósito, oferecem uma vista deslumbrante sobre a paisagem circundante, com a albufeira do Maranhão ao fundo..

Terminada a visita a Avis, estava na hora de rumar à Herdade..

Um final de Junho muito quente, tornou a piscina um alvo fácil e convidativo, desde o início da tarde, quase até o sol se despedir..

Para não sacrificar o desejado descanso proporcionado pela tarde alentejana, o almoço aconteceu ali mesmo, no bar da piscina, com o apoio de um staff muito atencioso..

Durante toda a tarde reinou o silêncio e a boa disposição do filho e sobrinho, que não se cansaram da piscina infinita..

Quase ao final do dia, um passeio pela Herdade com passagem pelo ginásio onde, não raras vezes, treinam equipas internacionais de remo, que ali ficam hospedadas para praticar nas águas do Maranhão..

Em tempos de pandemia não pude testemunhar o afamado buffet de pequeno-almoço, mas o serviço à carta também não desiludiu..

Um refúgio de sossego..

16
Jul20

Honest Greens


cincodecadavez

IMG_6974.JPG

IMG_6985.JPG

IMG_6977.JPG

IMG_6992.JPG

 

IMG_6983.JPG

No que diz respeito a refeições fora de casa, o primeiro ato de desconfinamento aconteceu no Honest Greens..

Como o nome indica, é um espaço que privilegia menus saudáveis, o que acabou por se revelar uma óptima opção, depois de tanta asneirada alimentar em período de quarentena..

O sucesso começou em Espanha e foi agora replicado no Parque das Nações, sendo que está prevista a abertura de outros Honest Greens na capital e também no Porto..

Encontrei um espaço amplo, staff simpático, menu variado, que pode alterar consoante os produtos frescos da época, e uma enorme esplanada com boa música, onde se está muito bem..

Quanto ao menu, o difícil foi escolher, porque a oferta é variada e apelativa, e numa discreta investigação aos pratos das mesas alheias, foi fácil perceber que qualquer coisa seria uma boa escolha..

A missão pela recusa de ingredientes processados chega também às sobremesas, e posso atestar sobre a pequena maravilha que é o Matcha Love Cheesecake..

Debaixo de olho ficaram também o Duo de Chocolate e a Tarte Afrodisíaca, mas não escapam numa próxima, porque o regresso é garantido..

05
Jul20

Os Jacarandás de Lisboa


cincodecadavez

IMG_6971.JPG

IMG_6938.JPG

IMG_6941.JPG

IMG_6924.JPG

IMG_6929.JPG

São lindos, são fotogénicos e são presságio de verão..

Originários da América do Sul, os Jacarandás foram trazidos para Lisboa no século XIX para o Jardim Botânico da Ajuda..

Começam a florir em Lisboa no final de Maio ou início de Junho e a sua cor lilás é presença na cidade ano após ano..

A sua beleza é assunto consensual.. Não há árvores mais bonitas na cidade..

Também é verdade que o manto lilás que cobre as ruas de Lisboa é alvo de críticas, havendo quem não se deixe seduzir pelo bonito efeito visual, preferindo salientar as consequências de um pavimento sujo, escorregadio e peganhento..

Discórdias à parte, os Jacarandás são símbolo da cidade de Lisboa e adornam avenidas como a D. Carlos I, a 5 de Outubro, o Rossio, a Rua Castilho, o Campo Pequeno, Parque Eduardo VII ou Alameda dos Oceanos..

Não deixe de os contemplar..